Logo Leandro e CIA

Refis 4: em alguns casos não compensa, diz especialista

Publicado em:

Troca de indexador, da TJLP para a Selic, pode representar aumento no gasto

SÃO PAULO – A adesão ao programa de reparcelamento de dívidas tributárias no âmbito do Refis 4 pode representar aumento do custo em alguns casos. A opinião é da gerente de tributos da Moore Stephens Auditores e Consultores, Lygia Caroline Carvalho.

De acordo com a especialista, isso se dá porque alguns das iniciativas anteriores de quitação de débito tinham um indexador mais baixo do que o atual: Refis, Paes e Paex utilizam como base a Taxa de Juro de Longo Prazo (TJLP), atualmente em 6%, enquanto que novo modelo toma como base a Selic, que fica em 8,75% ao ano.

“Esses [contribuintes inseridos nos demais programas] precisam calcular efetivamente as reduções e a atualização das parcelas para definir se devem migrar para o Novo Refis, pois as parcelas remanescentes dos referidos parcelamentos eram atualizadas pela TJLP”, comentou Lygia.

Para a gerente, o contribuinte pode sair ganhando sempre, desde que faça breve estudo da situação atual da empresa e das condições dos parcelamentos e tenha certeza que sua escolha está baseada em dados – e não em impulsos.

“A migração para o Novo Refis pode não ser tão vantajosa se compararmos a TJLP com a Selic, mesmo que imputadas as reduções”, concluiu.

Leia mais:

Receita traz novidades para adesão ao Refis 4

Refis 4 é opção para 70% dos leitores do FinancialWeb

Refis 4: crédito de CSLL e prejuízo fiscal reduzem juro

Contribuinte deve usar certificação digital no Refis 4

Refis 4: crédito-prêmio do IPI pode ser parcelado

1º: Especial Refis 4: prazo para adesão acaba em novembro

2º: Especial Refis 4: veja o que e como pode ser parcelado

3º: Especial Refis 4: confira o pagamento mais vantajoso

4º: Especial Refis 4: veja as contas que não entram

Abrir o chat
Precisa de ajuda?
Olá, como podemos lhe ajudar hoje?
%d blogueiros gostam disto: