Notícias


Planejamento estratégico ainda é desafio para a qualidade de gestão

As empresas têm dificuldade na implementação do planejamento estratégico. Esse é o principal resultado da pesquisa da Symnetics sobre planejamento estratégico no Brasil, que identificou uma série de barreiras na execução das estratégias. A country manager da Symnetics Fanny Shwarz, explicou durante a abertura da 38ª Reunião Estadual da Qualidade, que as dificuldades para colocar em prática são decorrentes de erros de gestão. O evento foi promovido pelo Programa Gaúcho da Qualidade e da Produtividade (PGQP)

“Faltam nas organizações mecanismos de acompanhamento e resultado da estratégia”, destaca. De acordo com o estudo, 95% do nível operacional das empresas não compreendem a visão de futuro. Se as pessoas que trabalham na empresa não têm conhecimento sobre os objetivos da empresa, dificilmente a organização irá alcançá-los, destaca Fanny. Outro fator de dificuldade é o fato de 78% das empresas não vincularem o orçamento à estratégia. “Como o orçamento é muito forte nas empresas, se não estiver amarrado com a estratégia, ela é que fica prejudicada”, define.

Ainda segundo a pesquisa, 75% das organizações brasileiras não vinculam incentivos e remuneração à estratégia. “Se o bônus é vinculado a uma venda e o planejamento e fica definido que o objetivo é conhecer o cliente, aquele bônus acaba criando uma nova meta”, diz. Estas dificuldades podem ser provenientes do fato que 85% dos executivos gastam menos de uma hora por mês discutindo a estratégia.

Fanny defende que a estratégia seja incorporada pelas empresas, já que é um dos principais fatores apontados pelos acionistas na definição de valor. Estudo da Ernst & Young concluiu que 35% do valor de uma organização pode ser atribuído a fatores não financeiros. De uma listagem de 200 fatores, os principais foram: execução da estratégia, credibilidade dos gestores, qualidade da estratégia, inovação. Apesar do baixo índice de organizações que conseguem implementar o que objetivam, Fanny destaca que há significativo crescimento da eficácia.