Notícias


País começa aplicar boas práticas internacionais de turismo

Participantes das seis viagens técnicas internacionais do Projeto Excelência em Turismo, fruto da parceria entre Ministério do Turismo, Embratur, Sebrae e Braztoa, disseminam conhecimento adquirido

Vanessa Brito

Brasília – Setenta empresários e operadores de turismo de 22 unidades da Federação participaram das seis viagens técnicas internacionais do Projeto Excelência em Turismo, no ano passado. Todas as regiões do País foram contempladas pelo projeto. Pesquisa realizada junto aos participantes revela que 74,3% deles consideraram o resultado das viagens excelente, enquanto 22,9% classificaram como muito bom, e 2,9% como bom. A qualidade dos contatos e visitas realizados foi considerada excelente por 45,7% dos participantes, muito bom para 34,3%, e bom para 20%.

O conhecimento acumulado nas visitas aos seis destinos turísticos, considerados em nível de excelência mundial, deverá transformar o setor no Brasil. Atrativos de ecoturismo, turismo cultural, de aventura, de mergulho, de pesca esportiva e roteiros integrados foram visitados na Costa Rica, Peru, México, Nova Zelândia, Espanha e Argentina. A perspectiva otimista e a boa avaliação do Excelência em Turismo foram apontadas pelos participantes da oficina de multiplicação do projeto, realizada, na tarde da terça-feira (24), no auditório da Embratur em Brasília.

Durante este ano a disseminação do aprendizado acumulado nas viagens está sendo promovida nas localidades onde atuam os participantes do projeto, por meio de saraus, reuniões, festas, entre outros. “Estamos formando uma rede de multiplicação, que vai atingir milhares de pessoas no País”, disse Airton Pereira, diretor de Turismo de Lazer e Incentivo da Embratur.

“O conhecimento sobre as boas práticas no turismo mundial vai elevar a qualidade dos destinos brasileiros, gerando inclusão socioeconômica em diversas comunidades”, disse Vinicius Lages, gerente de Atendimento Coletivo do Setor de Comércio e Serviços do Sebrae Nacional. Setenta pessoas do trade de turismo brasiliense, participantes das viagens técnicas, técnicos, consultores e representantes do Ministério do Turismo, Embratur, Sebrae e Braztoa participaram da oficina.

O Projeto Excelência em Turismo já começa a colher os frutos da sua primeira etapa. Ele é a primeira ação voltada ao ‘benchmarking’ do setor, realizado no País. Fruto da parceria entre Ministério do Turismo, Embratur, Sebrae e Braztoa (Associação Brasileira das Operadoras de Turismo), está em implementação desde o ano passado. Para este ano, estão previstas mais quatro viagens, que deverão ser a Chicago (EUA), Áustria, Canadá e África do Sul. Turismo de negócios e eventos, cultural e de entretenimento, sol e praia serão os segmentos a serem conhecidos na segunda etapa do projeto.

“Este projeto é um projeto estruturante, que será lembrado nos próximos vinte anos”, prevê Ricardo Attuch, consultor do convênio Embratur/ Unesco, que também participa do projeto. O aprendizado adquirido nas seis viagens técnicas internacionais viabilizadas pelo projeto, em 2005, começa a demonstrar que os impactos e transformações serão extraordinários nos destinos turísticos do País.

Primeiros resultados práticos

Segundo dados de pesquisa realizada junto aos setenta participantes do projeto, 81,6% deles agregaram inovações e melhoramentos aos produtos e serviços turísticos, ao retornarem das viagens técnicas. Novos pacotes visando educação ambiental, ecoturismo e turismo científico, visitas a orquidários, pacotes envolvendo caminhada, asa delta e passeio de barco, inclusão de lanche-box nos passeios, entre outros, foram implantados em vários destinos turísticos brasileiros, a partir das observações em atrativos visitados na Costa Rica, Peru e Nova Zelândia.

Mudanças na gestão e no ambiente interno das empresas são conseqüências que também começam a despontar. Quase 87% dos entrevistados informaram que estão promovendo treinamentos para suas equipes em inglês e alemão, educação ambiental, preparação para certificação de turismo de aventura, implementação do conceito de qualidade da experiência, treinamento com guias para uso do guia de aves e procedimentos de segurança e emergência. Implantação de ciclo de rotação de equipes e adoção de práticas para redução de níveis de consumo de energia e água foram apresentadas na oficina como resultado das viagens técnicas do Excelência em Turismo.

A pesquisa também aponta que 56,7% dos participantes das viagens técnicas passaram a trabalhar com novos roteiros. Isso está ocorrendo na região do Projeto Cepima – que abrange o litoral norte cearense, Delta do Parnaíba e Lençóis Maranhenses –, Maceió, região do Rio Araguaia, entre outros.

Novos segmentos e atividades começam a ser agregados em diversos destinos turísticos, tais como o turismo rural; observação de aves; ecoturismo com aventura; ecoturismo com cavalgada; ecoturismo com mergulho; mergulho e flutuação; mergulho e turismo cultural; pesca e turismo cultural; e sol e praia e turismo cultural.

Ações de mercado e de marketing, interação com o trade e instituições também estão sendo intensificadas, segundo a pesquisa. Abertura de canal de comunicação foi apontada por 38,9% dos participantes. Enquanto 29,2 % deles já realizaram palestras sobre o aprendizado acumulado ao trade de turismo em diversas localidades.

“Juntos estamos construindo um novo patamar do turismo brasileiro”, disse Vinicius Lages, durante a apresentação dos resultados da pesquisa. Para ele, a elevação da qualidade do setor vai gerar inclusão social em diversas comunidades e regiões brasileiras.

Segmentos visitados

Os segmentos turísticos visitados pelos grupos integrantes do projeto foram previamente selecionados, de acordo com as potencialidades brasileiras. Ecoturismo, turismo cultural, de aventura, de mergulho, de pesca esportiva e de roteiros integrados foram os temas escolhidos pela equipe gestora do Excelência em Turismo.

Certas particularidades do turismo brasileiro foram apontadas na reunião. A diversidade e possibilidade de conjugar vários tipos de atividades e atrativos numa mesma localidade é uma característica a ser explorada no Brasil. “É comum encontrar mais de um segmento num mesmo destino turístico, por exemplo, atividades de ecoturismo, turismo cultural e de aventura”, compara Attuch.

Em algumas das viagens, foi constatado que há também no País experiências em estágio avançado em termos de qualidade e operacionais em determinados segmentos turísticos. “Temos ótima experiência em mergulho, mas esse segmento não está inserido na cadeia de turismo no Brasil”, esclareceu o consultor. “Em algumas áreas estamos defasados, em outras nem tanto ou até avançados”, avaliou José Zuquim, presidente da Braztoa.

Participação democrática

Os integrantes dos grupos de cada uma das seis viagens técnicas realizadas foram cuidadosamente selecionados, de modo a viabilizar a participação de representantes de todas as regiões brasileiras no projeto. Os setenta participantes das viagens são de 22 unidades da Federação.

Alguns deles não possuíam passaporte e, outros, nunca tinha viajado de avião, contou Zuquin. Os integrantes das viagens eram oriundos de operadoras de turismo, de receptivo, técnicos, consultores e representantes das instituições parceiras, responsáveis pelo Excelência em Turismo. Cada grupo foi composto por 12 integrantes.

“Nunca tinha viajado para fora do Brasil. Foi uma experiência única”, afirmou Gustavo Chaves, da Drena Ecoturismo do município de Pirenópolis (GO). Ele participou da viagem à Costa Rica. A contribuição das pesquisas científicas ao ecoturismo foi o aspecto destacado por Gustavo. “No País, já temos produtos desenvolvidos, sem ter sido pesquisado”, comparou. Na Costa Rica, ao contrário, a ciência está a serviço do segmento e gera densidade e credibilidade às informações passadas aos turistas, segundo Gustavo.

“Acabei me transformando num produto da viagem do diretor da Dive Bonito ao México”, declarou Cláudio Alexandre, professor da escola de mergulho Dive Bonito, sediada no município de Bonito (MS). A estrutura de recarga de cilindos e o projeto de marketing, visando vender o mergulho para pessoas que nunca tiveram acesso à atividade já mudaram a rotina de Cláudio. Novas ações que foram aplicadas depois da viagem do diretor da empresa ao México. No momento, a escola está se transformando também em operadora de mergulho. “Estamos contatando grupos de espeleologia para viabilizar mergulho em cavernas”, adiantou o professor.

Serviço:
Sebrae – www.sebrae.com.br
Braztoa – www.braztoa.com.br
Embratur – www.embratur.gov.br