Notícias


Pagamento do PIS injeta R$ 90 milhões na economia da Paraíba

Portal Paraíba1

Jean Gregório
Do Jornal da Paraíba

Mais de R$ 90,3 milhões foram injetados na economia paraibana somente com o pagamento do Abono Salarial do PIS, revela a Caixa Econômica Federal. O valor representa 94,19% do total já desembolsado. O número de trabalhadores que sacaram o benefício das classes C, D, E, que formam o perfil do PIS, chegou a 178,8 mil pessoas na Paraíba.

Contudo, de acordo com a Caixa Econômica Federal, mais de 11,1 mil trabalhadores ainda não sacaram o montante de R$ 6,5 milhões (5,81% do total). Perde o direito quem não sacar até 30 de junho. Os trabalhadores inscritos no PIS recebem o abono salarial nas agências da Caixa e os que tiverem Cartão Cidadão com senha cadastrada também podem fazer o saque em Lotéricas, Caixa de Autoatendimento e postos do Caixa Aqui.

O valor do benefício é de um salário mínimo atual (R$ 545,00). Têm direito ao abono salarial os trabalhadores cadastrados no PIS há pelo menos cinco anos e que tenham trabalhado com carteira assinada, pelo menos 30 dias, consecutivos ou não, entre junho de 2009 a junho de 2010. Outra exigência é ter recebido, em média, até dois salários mínimos mensais e, de seus dados terem sido informados corretamente pela empresa na Relação Anual de Informações Sociais (Rais) do ano-base 2009.

De acordo com o Ministério do Trabalho e Emprego, a maior taxa de cobertura está em Pernambuco, com 96,52%. Logo após vem o Rio Grande do Norte, onde 96,26% dos trabalhadores com direito a receber abono salarial já sacaram o benefício, Minas Gerais, com 95,93%, e Ceará, com 95,83%. A menor taxa de cobertura está no Mato Grosso, com 87,14%.

Já entre as regiões, a maior taxa de cobertura em abril era no Nordeste, onde 95,12% dos 4,019 milhões de trabalhadores com direito a receber o benefício já sacaram. Em seguida vem o Sul, com uma taxa de cobertura de 93,95% (3.375.033 identificados), o Sudeste, com 93,26% (8.735.101 identificados), e o Norte, com 91,70% (931.271 identificados). O Centro-Oeste estava com a menor taxa de cobertura no período, já tendo sacado o abono salarial 90,97% dos 1.430.307 identificados.