Notícias


Olhar criterioso na escolha do contador

GAZETA MERCANTIL

São Paulo, 17 de Dezembro de 2008 – A preocupação e o cuidado do empreendedor com a rentabilidade de sua pequena ou <a oncontextmenu="function anonymous()
{
return false;
}” onmouseover=”function anonymous()
{
hw15726753161842(event, this, -514014096); this.style.cursor=hand; this.style.textDecoration=underline; this.style.borderBottom=solid;
}” style=”CURSOR: hand; COLOR: #006600; BORDER-BOTTOM: 1px dotted; TEXT-DECORATION: underline” onclick=”function anonymous()
{
hwClick15726753161842(-514014096);return false;
}” onmouseout=”function anonymous()
{
hideMaybe(event, this); this.style.cursor=hand; this.style.textDecoration=underline; this.style.borderBottom=dotted 1px;
}” href=”http://www.gazetamercantil.com.br/GZM_News.aspx?parms=2243826,581,20,6#”>média empresa também devem levar em conta a escolha do contador. Com o papel de apresentar a situação financeira de uma companhia por meio de demonstrativos e relatórios periódicos, além de instruir o cliente nas decisões estratégicas a serem tomadas, o contador é uma peça-chave para a gestão das empresas.

A confiança é a base para uma relação saudável e promissora entre o cliente e o contabilista, que continuamente trocam e discutem informações confidenciais. "O empreendedor expõe sua vida econômica ao contador, é importante que o cliente sinta-se confortável e seguro com o profissional escolhido", afirma o presidente do Sindicato dos Contabilistas de São Paulo (Sindcont-SP) e pró-reitor de Planejamento e Gestão da PUC-SP, José Heleno Mariano.

A indicação de colegas é uma opção que pode assegurar uma escolha adequada, juntamente com uma pesquisa do histórico profissional do contador, como o local de formação, trabalhos desenvolvidos, desempenho com outros clientes, visibilidade do escritório. O <a oncontextmenu="function anonymous()
{
return false;
}” onmouseover=”function anonymous()
{
hw4441784192842(event, this, -514014096); this.style.cursor=hand; this.style.textDecoration=underline; this.style.borderBottom=solid;
}” style=”CURSOR: hand; COLOR: #006600; BORDER-BOTTOM: 1px dotted; TEXT-DECORATION: underline” onclick=”function anonymous()
{
hwClick4441784192842(-514014096);return false;
}” onmouseout=”function anonymous()
{
hideMaybe(event, this); this.style.cursor=hand; this.style.textDecoration=underline; this.style.borderBottom=dotted 1px;
}” href=”http://www.gazetamercantil.com.br/GZM_News.aspx?parms=2243826,581,20,6#”>empresário pode, também, antes de contratar o contabilista, certificar-se que está registrado no Conselho Regional de Contabilidade (CRC).

Além da confiança, Mariano também sinaliza como características fundamentais para avaliar a qualidade de um contador sua competência, ética, moral e profissionalismo. Em um primeiro contato, o contador deve mostrar suas qualidades e aptidões para realizar o trabalho, bem como sua capacidade analítica em orientar com clareza as melhores opções de investimentos, pagamentos e desejos do empreendedor, auxiliando-o com os problemas contábeis e administrativos, de acordo com a realidade e particularidade de cada empresa. "O profissional da área da contabilidade deve ser um consultor, sempre disponível para explicar o porquê de cada orientação, decisão e como deve ser estruturada a parte administrativa de uma pequena ou média empresa", comenta a fundadora e contadora responsável pela Fharos Assessoria Empresarial, Dora Ramos.

Apresentar os processos legais, prazos e como são calculados os impostos são responsabilidades de um contador que deseja manter uma relação aberta com seu cliente. Ao ter conhecimento de todos os passos que envolvem o seu negócio, o empreendedor tem mais confiança no contabilista e em seu trabalho. "Um contador que não está disposto a explicar os procedimentos que utiliza provavelmente terá essa postura durante a relação com seu cliente", complementa Dora.

Algumas perguntas são fundamentais para que o contador avalie e conheça o cliente, ou seja, para realizar "um diagnóstico da empresa e do empresário", segundo explica Mariano. Primeiro, o profissional solicita os demonstrativos contábeis e analisa a geração de caixa, consumo, juros, dívidas e datas de pagamento aos fornecedores e funcionários. Posteriormente, vai direcioná-lo de acordo com a realidade do cliente, afirmando se o empreendimento necessita de capital de giro e se gera <a oncontextmenu="function anonymous()
{
return false;
}” onmouseover=”function anonymous()
{
hw7458652540842(event, this, -514014096); this.style.cursor=hand; this.style.textDecoration=underline; this.style.borderBottom=solid;
}” style=”CURSOR: hand; COLOR: #006600; BORDER-BOTTOM: 1px dotted; TEXT-DECORATION: underline” onclick=”function anonymous()
{
hwClick7458652540842(-514014096);return false;
}” onmouseout=”function anonymous()
{
hideMaybe(event, this); this.style.cursor=hand; this.style.textDecoration=underline; this.style.borderBottom=dotted 1px;
}” href=”http://www.gazetamercantil.com.br/GZM_News.aspx?parms=2243826,581,20,6#”>lucros ou não.

Outro requisito que determina um bom contador é a atualização técnica desses profissionais. Manter-se alinhado com as inovações do mercado, seja na área contábil, legislativa e trabalhista, com cursos teóricos que agreguem conhecimento no setor, ou dos diferentes softwares de gestão – como o Prosoft Tecnologia, Quantimatic, entre outros. Atitudes como essas comprovam a vontade do profissional de estar inserido no meio. "O cliente deve fazer perguntas sobre como o contador se atualiza, que cursos ele faz, que programas de computador seu escritório utiliza. Um profissional que só trabalha com planilhas de Excel está defasado", diz Dora.

Para auxiliar o crescimento e atualização profissional do contador, o Sindicont-SP, como outros conselhos de contabilidade regionais, disponibiliza cursos pela internet, com temas como tecnologia, relacionamento e crescimento pessoal, e realiza centros de estudos de orientação ao contador. Jornais, revistas e boletins de entidades do segmento contábil – Cenofisco, Fiscosoft, entre outros – são alternativas práticas para que o contabilista mantenha-se atualizado, além de disponibilizá-las para o próprio cliente.

Além de todos os fatores já citados, antes de escolher o contador é importante que o empresário conheça o seu negócio, e que tipo de relação e retorno espera dessa parceria. Ao traçar um modelo específico de trabalho, com regras pré-estabelecidas, os riscos de desentendimentos e possíveis problemas serão menores.

Por se tratar de uma relação baseada na troca de informações, o cliente deve, também, agendar previamente as datas com o contador para que os relatórios e balanços sejam entregues pontualmente, enfatizando a confiança mútua e agilizando os negócios.

(Gazeta Mercantil/Relatorio – Pág. 6)(Marianna Pedrozo)