Notícias


Número de parlamentares milionários quase duplica em dois anos, diz ONG

O Globo Online

Maria Lima – O Globo

BRASÍLIA – Um mandato parlamentar faz bem para a saúde financeira dos políticos em geral. Estudo da ONG Transparência Brasil, que fiscaliza contas públicas, mostra que quase duplicou o número de parlamentares milionários 2008 na comparação com 2006. Há dois anos, entre deputados federais, estaduais, senadores e vereadores, havia 54 milionários. Em 2008, há 99. Isso mostra ainda que, dos 928 parlamentares-candidatos a prefeito, 10% do que concorrem nestas eleições municipais são milionários, com patrimônio superior a R$ 1 milhão. Nesse período, há variação patrimonial de até 1260,5%, como é o caso do deputado estadual Fábio Santana (PMDB-BA), um oficial aposentado do Corpo de Bombeiros, que em 2006 tinha R$ 78.500 declarados á Receita Federal, e esse ano pulou para R$1,068 milhão.

Entre os deputados federais, quem exibe melhor desempenho financeiro nesses dois anos é o ex-prefeito de Ariquemes e senador cassado Ernandes Amorim (PTB-RO). Na declaração apresentada em 2006 ele declarou ter R$185 mil em bens. Em 2008, deu um salto de 773,8%, passando para R$ 1.615.500, quase tudo em cabeças de boi.

Na comparação feita pela ONG, há também parlamentares que declararam ter ficado muito mais pobre nesse período. É o caso do deputado federal Marcio Marinho (PR-BA). Pelas declarações, ele perdeu tudo que tinha, R$32.753 mil, e ficou 100% mais pobre, mesmo com os proventos e verbas indenizatórias inerentes ao mandato.

O deputado e ex-presidente da Câmara Aldo Rebelo (PCdoB-SP), candidato a vice na chapa de Marta Suplicy (PT) em São Paulo, também declarou ter perdido mais de R$200 mil de seu patrimônio. Em 2006 ele tinha R$ 643.651,14 e caiu para R$ 403.468,15 dois anos depois. O mais rico de todos é Paulo Maluf (PP-SP), que em 2006 tinha R$ 38.949.561, e agora enriqueceu 0,6%, passando em 2008 para R$39.185.532.

A justificativa para dois desses políticos milionários é uma só: erro de contabilidade na declaração de rendimentos apresentada á Justiça Eleitoral. O deputado Ernandes Amorim, por exemplo, diz que está completamente falido e estava usando os últimos centavos do salário para pagar exames médicos essa semana em São Paulo. Ele diz que houve um erro na declaração de rendimentos de 2008, que desconsiderou uma dívida de R$2,5 milhões que tem junto ao Banco do Brasil há mais de dez anos, e que vem refinanciando desde então.

– Estou procurando um contador para consertar esse erro, incluindo o negativo. O patrimônio que tenho em bois é todo do BB. Tenho ainda uma multa eleitoral de R$ 240 mil que a Receita está me cobrando. Se for pagar tudo, tenho que vender a roupa do corpo, dos meus filhos, e ainda não dá para zerar minhas dívidas. Não posso nem tirar passaporte por causa dessas dívidas – diz Ernandes Amorim.

Já o deputado estadual Fábio Barreto, que é candidato a prefeito em Itabuna, diz que esse tipo de estudo lhe dá muito trabalho para provar à comunidade que não fez nada de errado. Ele conta que em 2007 comprou um apartamento de luxo, ainda em construção, em Salvador, no valor de R$ 425 mil. Diz que está pagando parcelas de cerca de R$ 20 mil, já tendo quitado até agora R$ 180 mil. Além disso, tem uma casa financiada de R$ 575.000 e parcelas mensais de R$ 5 mil e um veículo Mitisubishi TR4 que custou R$ 68.000,00.

– Esse patrimônio todo ainda estou pagando, ainda não é meu, é do banco. E tenho rendimentos para isso de herança, do espólio do meu pai, que tinha fazendas. Você pode ter o dinheiro e não querer comprar nada, compra no momento que lhe convier – disse Fábio Santana.