Notícias


Microsoft oferece 44,6 bilhões de dólares pelo Yahoo

PORTAL EXAME

Em busca de competitividade no setor de anúncios online, dominado pelo rival Google, a empresa do bilionário Bill Gates propõe um dos maiores negócios da história da internet

Por Peri de Castro e Camila Fusco

EXAME 

No que pode ser o início de um dos maiores negócios da história do mundo digital, a gigante americana de softwares Microsoft ofereceu, nesta sexta-feira (01/02), 44,6 bilhões de dólares pelo Yahoo, como estratégia para ganhar musculatura contra a principal rival da empresa de Bill Gates, o Google.

A Microsoft formalizou a oferta numa carta enviada ao conselho de diretores do Yahoo. A proposta precisa ser analisada e pode ser o primeiro passo de um longo processo de negociação. A fabricante de softwares prevê que o acordo seja fechado apenas no segundo semestre de 2008.

Segundo comunicado oficial da Microsoft, a divisão do valor total da oferta pelo número de ações do Yahoo renderá aos acionistas 31 dólares por papel, um prêmio de 62% em relação aos 19,12 dólares registrados no fechamento desta quinta-feira (31/01). Os acionistas poderão optar por receber a quantia em dinheiro ou em ações da companhia compradora.

Como resultado do anúncio, as ações do Yahoo disparavam 49,74% na Nasdaq às 12h30, horário de Brasília, a 28,72 dólares. Por seu lado, as ações da Microsoft registravam baixa de 4,88%, a 31,01 dólares.

De olho nos anúncios

Na nota, a Microsoft também deixa claro que o interesse no Yahoo está relacionado à necessidade de ampliar sua participação no negócio dos anúncios online, setor que deve dobrar dos atuais 40 bilhões de dólares anuais para 80 bilhões, em 2010, mas no qual o Google conta com liderança incontestável.

A empresa de softwares afirma, ainda, que a fusão com o Yahoo geraria um ganho anual de pelo menos 1 bilhão de dólares para a companhia resultante, pela criação de sinergia em quatro áreas. A primeira delas seria o ganho de escala econômica, a partir da formação de “massa crítica de audiência” e do conseqüente aumento de potencial publicitário. Como segundo fator estaria a combinação de talentos na área de engenharia, necessário para acelerar inovações.

“A oferta de compra do Yahoo é um marco para a Microsoft, que embarca de vez nas estratégias online nas áreas de busca e anúncios”, disse Steve Ballmer, CEO da companhia em uma conferência telefônica com imprensa e analistas no final da manhã.

Na conferência, Kevin Johnson, presidente da divisão de plataformas e produtos, disse também que a união entre as duas empresas dará possibilidade de expandir e combinar as capacidades em pesquisa e desenvolvimento. Além disso, será possível reduzir certos custos de infra-estrutura, já que ambas poderiam compartilhar recursos técnicos.

Johnson aproveitou ainda para alfinetar o rival Google. “O mercado – de buscas e anúncio online – hoje é fortemente dominado por uma empresa. A união entre Microsoft e Yahoo dará mais escolha para os usuários e anunciantes”.

Questionado sobre uma eventual integração do Yahoo com o MSN e o futuro de cada marca, Steve Ballmer foi discreto e se limitou apenas a dizer que as equipes unidas poderão estudar o que há de melhor a ser feito. “Nós amamos essas marcas, amamos a marca Yahoo. E nós queremos ter clara integração. Os líderes da Microsoft e do Yahoo poderão trabalhar para obter a melhor sinergia possível”. 

Especulações sobre uma oferta da Microsoft pelo Yahoo circulam entre os investidores desde o ano passado, mas ganharam força depois de o Yahoo divulgar, nesta terça-feira (29/01), uma redução no faturamento do quarto semestre de 2007, em relação ao mesmo período do ano anterior, e uma previsão de ganhos para 2008 menor do que a esperada pelos analistas da área.

Na carta enviada aos diretores do Yahoo, o executivo-chefe da Microsoft, Steven Ballmer, diz que a fabricante de softwares tem pesquisado desde 2006 as diversas formas de integração que as duas companhias poderiam encontrar – desde parcerias comerciais até uma fusão completa – mas que no cenário atual, nenhuma outra faria sentido, senão esta última.

Transição no Yahoo

Além da oferta da Microsoft, o Yahoo passa por uma fase de renovação também no seu time de executivos. O presidente do conselho da empresa, Terri Semel, anunciou nesta quinta-feira (31/01) seu afastamento do cargo, num início de transição que vinha sendo preparada há anos pelo próprio Semel.

Em nota, o Yahoo anunciou que recebeu a proposta da Microsoft e que o “conselho diretor vai avaliar a proposta cuidadosamente e vai colocá-la no contexto dos planos estratégicos” da empresa. Procurado pelo Portal Exame, o Yahoo Brasil informou, por sua assessoria de imprensa, que não iria comentar o assunto.