Notícias


Mantega critica FMI e pede sistema financeiro mais regulado

Fonte: Redação Terra

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, criticou, neste sábado, o Fundo Monetário Internacional (FMI) por sua atuação na crise de crédito global e pediu que o novo sistema financeiro, que emergirá após a crise financeira, tenha mais mecanismos de controle e supervisão, além de contar com novos instrumentos de liquidez para países emergentes.

As declarações de Mantega foram feitas na reunião do Comitê Monetário e Financeiro Internacional (IMFC, na sigla em inglês), que acontece nos Estados Unidos. "Depois de controlada a turbulência, teremos que estabelecer um novo conjunto de práticas para fortalecer e proteger o sistema financeiro e assim desviá-lo das práticas que foram tomadas pelos países avançados (nesta crise)", afirmou.

"Espero que a crença infundada de que os mercados podem basicamente ser deixados a sua livre vontade será enterrada por um longo tempo", complementou.

Para o ministro brasileiro, o princípio da autoregulação será substituído por um sistema "cuidadosamente desenhado de controles e supervisão".

Mantega criticou o FMI por conta da instituição tomar como "exemplo a serem imitados" os Estados Unidos e países europeus que hoje se encontram no centro da tempestade financeira. Em particular, o ministro brasileiro pediu um maior monitoramento dos países ricos pela instituição.

O ministro destacou ainda que tanto o fundo quanto o Banco Mundial deveria criar uma linha de crédito de acesso rápido e menos sujeito a condições para prover liquidez a países emergentes no evento de choques financeiros.

Mantega insistiu ainda que o FMI deve "evoluir rapidamente para um aumento dos limites de acesso para seus empréstimos, o que vai contra a idéia dos EUA.

O secretário do Tesouro americano, Henry Paulson, disse pouco antes neste sábado, na mesma instância, que o FMI deve se concentrar em sua missão principal e resistir à busca de formas criativas de emprestar dinheiro.

"Somos céticos com relação às propostas de aumentar significativamente os níveis de acesso dos países-membros aos empréstimos", disse Paulson.

O FMI tem um sistema de direitos de empréstimos para seus 185 países-membros, que pode ser utilizado em casos de desequilíbrios na balança de pagamentos.

Na tarde deste sábado, Mantega participará de uma reunião de ministros das Finanças e presidentes de bancos centrais dos países do G20 financeiro para discutir a crise.

O grupo reúne 19 nações, entre elas as mais industrializadas e outras emergentes como Brasil, China, Índia e México. Argentina também participará do encontro, que será o primeiro em que os países industrializados vão consultar seus pares em desenvolvimento por uma crise.

Com informações da AFP.