Notícias


Leão abocanha 72% do valor dos brinquedos

Brinquedos eletrônicos são os mais procurados e os têm a carga tributária mais alta, já os livros têm o menor imposto: 15,52%

A cada 12 de outubro a dúvida ressurge. Como presentear os pequenos? Brinquedos educativos, livros infantis ou vale satisfazer o gosto da garotada com produtos eletrônicos, carrinhos e bonecas que quase brincam sozinhos? A decisão depende dos pais e do valor que cada um quer gastar.

No mercado não faltam opções. Os preços podem variar de centavos até milhares de reais. Meninas geralmente optam por bonecas, meninos por carrinhos, mas os celulares e os tocadores de MP3 vêm ganhando cada vez mais espaço entre as crianças. Talvez, presentear os bebês ainda seja mais difícil, sem poder de escolha, eles são os consumidores dos presentes mais caros do mercado.

No entanto, na hora da decisão, o bolso ainda pede uma avaliação do imposto que será pago no valor do presente. De acordo com pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), os eletrônicos, um dos presentes mais solicitados pelas crianças, podem ter carga tributária de 72,18%: em um MP3 ou iPOD, quase metade do valor é destinado ao pagamento de tributos, 49,45%.

Entre os presentes mais modestos e tradicionais, a bola de futebol é a que possui a carga tributária mais alta, de 46,49%. Enquanto a bicicleta chega a ter 45,93% de encargos. Os livros sãos os produtos com a menor carga tributária, de 15,52%.

Segundo o autor do estudo, o tributarista e diretor técnico do IBPT, João Eloi Olenike, não importa a época do ano ou o motivo da comemoração, quem sempre festeja é o governo, devido à enorme carga tributária, que constantemente despeja soberba quantidade de dinheiro nos cofres públicos, comprovada pela arrecadação recorde na última semana, cujo superávit do governo federal cresceu 43,2% e chegou a R$ 68,43 bilhões.

 

Andréa Bertoldi
Equipe da Folha