Notícias


Justiça decreta falência da Zoomp, e fábrica em Barueri é fechada

Gestor da empresa diz que vai recorrer da decisão e que negocia com fornecedores

ALCINO LEITE NETO
EDITOR DE MODA

A Justiça decretou ontem a falência da Zoomp e fechou a fábrica da empresa, em Barueri (Grande São Paulo). Segundo um dos atuais gestores da Zoomp S.A., Carlos Valmer, a falência foi decretada pela 5ª Vara Cível de Barueri, em decorrência de processo de cobrança de dívida movido por um fornecedor de serviços.

Os advogados da Zoomp vão recorrer da decisão. "Fomos pegos de surpresa", disse Valmer. Não só a produção da Zoomp fica estagnada com o fechamento mas também os negócios do showroom da coleção outono-inverno que estavam sendo realizados no local.

Segundo Valmer, não é possível calcular o prejuízo diário. Ele afirma que também não faltarão produtos às lojas, mas apenas "num primeiro momento". "Se ficarmos parados muito tempo, com certeza a produção será afetada."

Valmer disse que a empresa negocia as dívidas -cujo valor ele não quis precisar- com fornecedores e não soube explicar por que não conseguiu impedir a decretação de falência.

"Às vezes você não tem liquidez no momento, às vezes as pessoas ficam nervosas com a negociação, às vezes você não tem como parar um processo jurídico", afirmou.

Criada pelo estilista Renato Kherlakian em 1974, a Zoomp foi vendida em 2006 para a holding HLDC, de Enzo Monzani e Conrado Will, que assumiram as dívidas da marca.

No mesmo ano, a Global Capital, administradora de fundos de crédito, assinou um contrato de gestão com a Zoomp. "A Global Capital não é sócia nem dona da Zoomp, ela apenas emprestou dinheiro à empresa [Zoomp]", afirmou Valmer.

No final de 2007, a HLDC anunciou a criação do grupo IM (Identidade Moda), que, além da Zoomp, incluiria as grifes de Alexandre Herchcovitch e de Fause Haten, entre outras. Em março de 2008, Herchcovitch e Fause Haten deixaram o grupo. Herchcovitch se associou mais tarde ao grupo Inbrands (formado pela Ellus e pela Pactual Capital Partners).

A marca Fause Haten, que havia completado a sua negociação, passou a pertencer ao grupo HLDC e estaria bastante endividada. "O IM e a grife Fause Haten são negócios da HLDC. A Global Capital não tem nenhuma responsabilidade pelas dívidas de um e de outro. Nossa relação foi sempre e apenas com a Zoomp", afirmou Valmer, que faz parte de um comitê de gestão da Zoomp, criado após a Global Capital injetar mais recursos e negociar o afastamento dos donos da HLDC.

A complicada crise na Zoomp levou a grife a cancelar seus desfiles na São Paulo Fashion Week nas últimas temporadas e a fechar algumas lojas no país, como a do Shopping Iguatemi, em São Paulo. Apesar disso, a empresa teria faturado R$ 90 milhões no último ano, segundo Valmer. Ele afirma também que a dívida da Zoomp "é absolutamente administrável" e conta que a empresa estava em plena negociação com outros grupos para encontrar uma "solução criativa" para o seu futuro. "Mas esse novo fato pode nos atrapalhar", reconheceu.
 


Colaborou VIVIAN WHITEMAN , da Reportagem Local