Notícias


FT: economias emergentes ganham “tempo para respirar”

Fonte: BBC Brasil

BBC Brasil

As economias emergentes ganharam "tempo para respirar" com as medidas anunciadas nos últimos dias pelo Federal Reseve (FED, o banco central americano) e o Fundo Monetário Internacional (FMI), segundo reportagem publicada nesta sexta-feira pelo jornal britânico Financial Times.

» Entenda a crise do crédito

"Desde que atingiram a pior baixa dos últimos quatro anos, na terça-feira, os lucros nos mercados emergentes subiram mais de 24%, de acordo com o índice MSCI de mercados emergentes. Ontem eles subiram 9%", diz o FT.

Para o jornal, isso é resultado das iniciativas políticas internacionais que ajudaram a acalmar os medos de que os mercados emergentes estavam prestes a se tornar as próximas vítimas da crise financeira.

Segundo o FT, o anúncio do FED de liberar uma linha de swap cambial para o Brasil de US$ 30 bilhões – para ajudar a combater os efeitos da alta do dólar -, combinado ao corte na taxa de juros nos Estados Unidos e à criação de uma linha de crédito do FMI para "países com fortes políticas econômicas que estejam atravessando problemas" contribuíram para a mudança de cenário.

"Essa mudança de sentimento contrasta com o pânico que se espalhou pelos mercados emergentes na semana passada. Os investidores estrangeiros com problemas de liquidez em casa correram para repatriar seus fundos. Esta desalavancagem atingiu duramente os países com altos deficits em suas contas correntes (que dependem do financiamento dos mercados)."

Mas, em outra reportagem, também publicada nesta sexta-feira, o FT avisa: "A redução do crédito para exportação aumenta a pressão sobre a América Latina".

"A redução de crédito para exportação ameaça intensificar a desaceleração da economia na América Latina, que já está sofrendo o impacto da queda dos preços das commodities, segundo o ex-chefe do Banco Interamericano de Desenvolvimento Enrique Iglesias".

Em entrevista ao FT em Madri, Iglesias disse que a dependência da região do capital estrangeiro a tornou particularmente vulnerável à atual turbulência financeira.

Iglesias afirma que os países da região estão melhor preparados para suportar a crise do que alguns anos atrás, mas ainda assim, muitos estão ameaçados por uma queda no ritmo do crescimento.

"Os investidores estão rapidamente perdendo o apetite para a América Latina", disse Iglesias ao FT.

Os países mais afetados seriam os exportadores de petróleo, como a Venezuela e o Equador, mas a Argentina e o Brasil, grandes exportadores de produtos agrícolas, também devem sofrer.