Notícias


Eu não concordo com a CPMF, mas o país precisa, diz José Alencar

Folha Online

RENATA GIRALDI
da Folha Online, em Brasília

O presidente em exercício, José Alencar, admitiu nesta quarta-feira ser contra a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que prorroga a CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) até 2011. No entanto, atribuiu a manutenção da cobrança ao equilíbrio orçamentário e ao controle da inflação.

"Eu também não concordo [com a CPMF], mas o país precisa", disse Alencar após participar de palestra destinada a investidores internacionais no hotel Blue Tree, em Brasília. "Não podemos correr o risco de desequilibrar o orçamento. O desequilíbrio orçamentário é a maior causa da inflação", reiterou.

Alencar se reúne nesta quarta-feira com o presidente interino do Senado, Tião Viana (PT-AC), os ministros Walfrido dos Mares Guia (Relações Institucionais), José Gomes Temporão (Saúde) e os interinos, Nelson Machado (Fazenda) e João Bernardo (Planejamento).

A idéia do governo federal é definir uma estratégia para acelerar a votação da CPMF no Senado. "Prova de que não queremos este imposto é que estamos trabalhando pela reforma tributária. Isso é uma coisa com segurança e sem aventura", concluiu Alencar.

O encontro é uma tentativa de pressionar os parlamentares a colocarem a PEC em votação até o final de novembro, para que não deixe de vigorar em 31 de dezembro deste ano –quando perde a validade.