Notícias


Entidades defendem aprovação urgente da Reforma Tributária

Logomarca do veículo

Diretor do Sebrae Carlos Alberto dos Santos diz que Instituição vai acompanhar avanços que estão sendo implementados em relação ao Supersimples

Beth Matias

São Paulo – Representantes de algumas das principais entidades do País, como Associação Comercial, Fundação Getúlio Vargas, Sebrae, Receita Federal, além do ex-governador do Rio Grande do Sul Germano Rigotto, defenderam nesta terça-feira (28) a aprovação urgente do projeto da Reforma Tributária. Eles participaram da Conferência Por Dentro da Reforma Tributária- Impacto nos Pequenos Negócios e na Vida do Cidadão, que aconteceu pela manhã na sede da Associação Comercial do Estado de São Paulo.

O relator da Comissão Especial da Câmara que discute a Reforma Tributária, deputado Sandro Mabel (PR-GO), promete para os próximos dias apresentar o parecer à comissão. Para o diretor de Administração e Finanças do Sebrae, Carlos Alberto dos Santos, é importante, da perspectiva das pequenas empresas, que essa reforma tributária, necessária, consolide os preceitos da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa. “Nós estamos vigilantes, participando, acompanhando para que os avanços que tivemos com o Supersimples não tenham um retrocesso neste momento”.

Segundo ele, o argumento que, num momento de crise não se deve discutir reforma tributária, não é válido. “A reforma tributária é algo que devemos realizar neste País. Não existe nação sem impostos. O problema não é o imposto em si, mas a carga e a qualidade do gasto. Neste momento, mais que nunca, nós precisamos discutir isso. É fundamental o papel do Estado neste momento entre outras coisas para ajudar a diminuir os impactos da crise no País”.

O diretor do Sebrae afirma que o projeto da Reforma Tributária colocou no centro do debate a qualidade do gasto. “O que nós precisamos neste momento é um forte investimento na infra-estrutura para superar os gargalos, em especial transporte, energia, telecomunicações, portos e aeroportos. Isso é que possibilita a grande virada no nosso País. É preciso também redução de custos”.

Carlos Alberto explica que o primeiro passo da Reforma Tributária foi a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, que possibilitou um avanço muito grande em relação ao antigo Simples. “Nós temos hoje 3,2 milhões de empreendimentos que aderiram ao Supersimples, isso é 500 mil mais das que estavam no antigo Simples, apesar de dificuldades pontuais em relação ao tratamento do ICMS. Com a Reforma Tributária a Lei Geral vai avançar ainda mais”.

O ex-governador do Rio Grande do Sul Germano Rigotto, que já foi presidente da Comissão da Reforma Tributária no governo Fernando Henrique Cardoso, está pessimista em relação à aprovação ainda este ano da reforma. “A costura ainda não foi feita com governadores e com as entidades. Se não acertarmos essa equalização, a reforma não passa na Câmara. Não estou vendo a mobilização necessária”.

De acordo com ele, a reforma que irá para o Congresso não será a ideal, mas garante um grande avanço para sociedade. “Caso a reforma seja aprovada no próximo ano, só irá vigorar a partir de 2011. “Segundo o próprio relator, a transição poderá levar até dez anos. Isso é muito tempo”.

Correções

O esboço do relatório divulgado recentemente pelo relator da comissão tem entre os principais pontos: punição para estados que insistirem na guerra fiscal, com a suspensão dos repasses dos fundos constitucionais e transferências voluntárias enquanto durarem os incentivos concedidos; desoneração da folha de pagamento, com redução gradual da contribuição patronal para o INSS; criação do Código do Contribuinte e da figura do poluidor-pagador (punição para quem comete crime ambiental); aumento do princípio da anterioridade fiscal, que hoje é de 90 dias, e pelo esboço será ampliada para 180 dias. Dessa forma, um aumento de imposto só entraria em vigor seis meses após a promulgação da lei.

Para o consultor do Sebrae André Spínola, a Reforma Tributária irá ajudar a fechar algumas brechas que atualmente os estados estão se utilizando para fugir do Supersimples. “O problema dessa guerra do ICMS, substituição tributária deverá ser resolvida mudando a natureza do ICMS. Mas é preciso de uma conversa séria sobre a questão do crédito. É preciso definir como esse crédito vai transitar, se é transferência como é hoje no ICMS ou como o PIS/Cofins, que a empresa compra e ela mesma calcula, tem o direito ao crédito a partir da compra”.

Segundo ele, é urgente aprovar a Reforma Tributária. “Nós não temos sistema tributário, nós temos um caos anárquico. O cidadão, a empresa, enfrenta três fiscos. A reforma só vem consolidar a seriedade do País. Na planilha de risco de todas as instituições financeiras, o sistema tributário brasileiro é colocado como ponto negativo”.

Emprego

Também durante a conferência, o presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais (CACB), Alencar Burti, defendeu a manutenção dos empregos no País mesmo com o agravamento da crise econômico. “A dispensa de pessoas tem que ser a última ação a ser tomada. É preciso reduzir o custo, sem reduzir o pessoal. É preciso descobrir novas portas que se abrirão com a crise”.

Para Carlos Alberto dos Santos, mesmo que o Brasil cresça pouco, continuará crescendo. “Nós temos aí um grande embalo físico principalmente pela demanda doméstica e essa demanda passa pela manutenção do nível de emprego, porque emprego é consumo e consumo é o que gira a economia”.

Serviço
Associação Comercial de São Paulo – (11) 3244-3100
Agência Sebrae de Notícias – (61) 3348-7494/ 2107-9382 /
www.agenciasebrae.com.br