Notícias


Cresce número de milionários que aplicam na poupança

G1 o portal de notícias da Globo

Saldo na caderneta é o segundo maior da história: R$ 2,6 bilhões.
Número de contas com saldo de mais de R$ 1 milhão subiu 30%.

O saldo na poupança é o segundo maior da história: R$ 2,6 bilhões. As cadernetas no Brasil receberam, no ano passado, um tipo de investidor que passava longe desse tipo de aplicação: os milionários.

Veja o site do Jornal da Globo

No ano passado, o número de brasileiros que tinham pelo menos R$ 1 milhão para investir e preferiu investir na poupança, deixando de lado investimentos que se revelaram arriscados durante a crise, como a bolsa de valores, cresceu 30%.

Dois fatos explicam o aumento de milionários com aplicações na caderneta. O primeiro é que a renda do brasileiro vem subindo nos últimos anos. Além disso, a poupança ficou mais atrativa. Em alguns casos, é melhor deixar o dinheiro na caderneta do que buscar um investimento mais arriscado, como a bolsa.

Comparação de rendimento

Em 2009, o Ibovespa teve rendimento acumulado de 70%, depois de despencar 41% em 2008. Ou seja, quem investiu R$ 100 no começo de 2008, viu o dinheiro desvalorizar para R$ 58, e teve de esperar a subida da bolsa em 2009 para recuperar o que perdeu. No final do ano, acabou com os mesmos R$ 100.

Se tivesse aplicado os R$ 100 na poupança no começo de 2008, teria terminado o ano passado com saldo de R$ 115,00. “Aqueles investidores que perderam dinheiro na bolsa buscaram proteção na caderneta de poupança, que foi um grande atrativo neste período, além da isenção de impostos deste investimento”, afirma o economista Miguel Daoud.

Além de não pagar Imposto de Renda e nem IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), a poupança ainda tem outras vantagens: tem garantia do saldo de até R$ 60 mil por CPF, não paga taxa de administração e não tem um valor mínimo para investir.

“A tendência futura é de níveis de taxas de juros como os atuais, e a poupança, com certeza, vai manter a sua rentabilidade relativa”, afirma o vice-presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Fábio Lenza.

Leia mais notícias de Economia e Negócios