Logo Leandro e CIA

Crédito cresce 31% em 2008 e bate recorde, mas estagna no fim do ano

Publicado em:

Folha Online

EDUARDO CUCOLO
da Folha Online, em Brasília

A crise financeira internacional reduziu a liberação de novos empréstimos para pessoas físicas e empresas, que ficou estagnada no último trimestre do ano. Mesmo assim, o volume de crédito na economia fechou 2008 com patamar recorde, segundo a pesquisa mensal de crédito do Banco Central, divulgada nesta terça-feira.

Em termos absolutos, o crédito bateu novo recorde: chegou a R$ 1,227 trilhão no final de dezembro, aumento de 31,1% no ano. Em 2007, o crédito havia registrado expansão de 27,8%.

Também foi recorde na comparação com o PIB (Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas), passando de 40,4% em novembro para 41,3% no mês passado. No final de 2007, estava em 34,2%.

Houve queda, no entanto, nas novas concessões de crédito depois da piora da crise internacional. No último trimestre do ano, as novas concessões ficaram praticamente estáveis (alta de 0,1%), afetadas pela paralisação no crédito em outubro e novembro.

O mês de dezembro apresentou recuperação, com um aumento de 14% nas concessões. A liberação de crédito para empresas subiu 16,8% no mês passado. Para o consumidor, avançou 8,1%.

De acordo com o BC, a recuperação de dezembro se deve à liberação de recursos subsidiados por meio do BNDES (banco estatal de desenvolvimento). Os recursos direcionados aumentaram a base de crédito em 3,4%. Já os recursos livres, ficaram com expansão de 0,9%.

Bancos públicos

No último trimestre do ano passado, os bancos públicos aumentaram sua participação na liberação de crédito no país de 34% para 36%, tirando espaço do setor privado. O aumento se deveu à decisão governamental para tentar reativar o crédito durante o pior momento da crise.

"O que nós observamos hoje é uma estabilidade no crédito livre e um aumento no crédito direcionado. Isso abre mais espaço para os bancos públicos, que aumentaram sua participação no crédito entre setembro e dezembro", disse o chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes.

Abrir o chat
Precisa de ajuda?
Olá, como podemos lhe ajudar hoje?
%d blogueiros gostam disto: