Notícias


Capitais ainda concentram maior parte do PIB, informa IBGE

Folha Online

CIRILO JUNIOR
da Folha Online, no Rio

As capitais mantiveram a concentração da maior parte do PIB (Produto Interno Bruto) do país em 2005, com a mudança de metodologia instituída pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). No ranking das dez cidades com maior PIB do país em 2005, oito são capitais: São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Brasília (DF), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG), Porto Alegre (RS), Manaus (AM), Barueri (SP), Salvador (BA) e Guarulhos (SP), nesta ordem.

No levantamento anterior, de 2004, eram seis capitais entre as dez cidades mais ricas. Mesmo assim, foi identificada uma tendência de perda de participação destas cidades, já que muitos municípios de médio porte continuaram apresentando crescimento significativo.

As cinco primeiras colocadas concentravam 25% do PIB nacional em 2005, e as capitais do país, 34,8%. Do total do PIB, as capitais do Sudeste eram responsáveis por 19,8%, seguidas pelas do Centro-Oeste, com 5%. As capitais do Nordeste eram responsáveis por 4,5%, as do Sul por 3%, e as da região Norte, 2,4%.

O novo cálculo do órgão leva em conta as pesquisas anuais feitas nos diversos setores da economia, e não é mais baseada no Censo Econômico de 1985. Com isso, o setor de serviços, que tinha um peso de 55,7% até o cálculo do PIB de 2004, passa a representar 66,3% na nova metodologia. Por outro lado, agropecuária e indústria perderam peso no valor final do PIB.

"Com o maior peso dos serviços, as capitais ganham participação. Ainda assim, as cidades menores estão tendo mais espaço. O resultado confirma a lógica de que os municípios de médio porte estão crescendo. Temos que observar daqui para frente como será essa evolução", afirma a coordenadora da pesquisa, Sheila Zani.

Em relação à pesquisa de 2004, que utilizava a outra metodologia, as três primeiras posições permaneceram inalteradas. Curitiba subiu da 7ª para a 4ª posição, trocando de posição com Manaus, que caiu na mesma proporção. Belo Horizonte manteve-se no 5º lugar.

Já Porto Alegre subiu da 13ª para a 6ª posição. Barueri, situada na região metropolitana de São Paulo, saltou do 20º para o 8º lugar. Salvador saiu do 19º para o 9º lugar, e Guarulhos, também localizada na região metropolitana paulista, caiu da 9ª para a 10ª colocação.

"Manaus perdeu espaço devido à nova metodologia, já que a cidade abriga a Zona Franca, que tem uma produção industrial acentuada. No geral, as grandes cidades predominam nas primeiras posições, pela estrutura que apresentam e pela variedade de serviços oferecidos", observa Sheila Zani.

No caso de Barueri, a pesquisadora ressalta que a cidade destacou-se principalmente pelos serviços de informação, comércio e de intermediação financeira, fora a atividade industrial local.

Deixaram o ranking das dez cidades mais ricas os municípios fluminenses de Campos dos Goytacazes (do 6º para o 18º lugar), Macaé (do 8º para o 53º lugar) e Duque de Caxias (do 10º para o 15º lugar).

A queda das cidades do Rio de Janeiro é atribuída à redução do peso da indústria, já que o PIB dessas regiões é formado basicamente pela indústria do petróleo, principalmente Campos e Macaé. Duque de Caxias se ampara mais na Reduc, terceira maior refinaria do País.

O peso da extração mineral, que é influenciada principalmente pelo petróleo, foi de 2,5% no cálculo final do PIB dos municípios. Caso a metodologia antiga fosse mantida, esse peso seria de 4,6%. No caso de Macaé, a queda bastante acentuada deveu-se ainda à retirada dos ganhos da cidade em função apenas dos royalties que ela recebe. No caso, Campos sempre concentrou a maior produção, mas a base das empresas está em Macaé, cidade vizinha.

"Macaé perdeu metade dos ganhos devido ao fato de, a partir de agora, estarem sendo contabilizadas as instalações de apoio à indústria. O fato de passar um duto por uma cidade qualquer não significa que a produção esteja ali", explica Sheila Zani.

Veja abaixo o ranking das 100 cidades com o maior PIB do país:

1 – São Paulo (SP)
2 – Rio de Janeiro (RJ)
3 – Brasília (DF)
4 – Curitiba (PR)
5 – Belo Horizonte (MG)
6 – Porto Alegre (RS)
7 – Manaus (AM)
8 – Barueri (SP)
9 – Salvador (BA)
10 – Guarulhos (SP)
11 – Campinas (SP)
12 – Fortaleza (CE)
13 – São Bernardo do Campo (SP)
14 – Osasco (SP)
15 – Duque de Caxias (RJ)
16 – São José dos Campos (SP)
17 – Recife (PE)
18 – Campos dos Goytacazes (RJ)
19 – Vitória (ES)
20 – Betim (MG)
21 – Goiânia (GO)
22 – Santo André (SP)
23 – Belém (PA)
24 – Camaçari (BA)
25 – Jundiaí (SP)
26 – Ribeirão Preto (SP)
27 – Contagem (MG)
28 – Canoas (RS)
29 – São Luís (MA)
30 – Uberlândia (MG)
31 – Sorocaba(SP)
32 – Joinville (SC)
33 – Santos (SP)
34 – Caxias do Sul (RS)
35 – São Caetano do Sul (SP)
36 – Diadema (SP)
37 – Serra (ES)
38 – Volta Redonda (RJ)
39 – Natal (RN)
40 – Araucária (PR)
41 – Campo Grande (MS)
42 – Niterói (RJ)
43 – São José dos Pinhais (PR)
44 – Cuiabá (MT)
45 – Paulínia (SP)
46 – São Gonçalo (RJ)
47 – São Francisco do Conde (BA)
48 – Florianópolis (SC)
49 – Londrina (PR)
50 – Maceió (AL)
51 – Nova Iguaçu (RJ)
52 – Piracicaba (SP)
53 – Macaé (RJ)
54 – Blumenau (SC)
55 – Cubatão (SP)
56 – Itajaí (SC)
57 – Juiz de Fora (MG)
58 – Teresina (PI)
59 – São José do Rio Preto (SP)
60 – João Pessoa (PB)
61 – Aracaju (SE)
62 – Mauá (SP)
63 – Foz do Iguaçu (PR)
64 – Sumaré (SP)
65 – Triunfo (RS)
66 – Taubaté (SP)
67 – Maringá (PR)
68 – Cabo Frio (RJ)
69 – Rio das Ostras (RJ)
70 – Mogi das Cruzes (SP)
71 – Ipatinga (MG)
72 – Americana (SP)
73 – Suzano (SP)
74 – Limeira (SP)
75 – Uberaba (MG)
76 – Bauru (SP)
77 – Jaboatão dos Guararapes (PE)
78 – Ponta Grossa (PR)
79 – Paranaguá (PR)
80 – Resende (RJ)
81 – Vila Velha (ES)
82 – Novo Hamburgo (RS)
83 – Gravataí (RS)
84 – Porto Velho (RO)
85 – Ipojuca (PE)
86 – Feira de Santana (BA)
87 – Jaraguá do Sul (SC)
88 – Cotia (SP)
89 – Jacareí (SP)
90 – Indaiatuba (SP)
91 – Matão (SP)
92 – Rio Claro (SP)
93 – Petrópolis (RJ)
94 – Taboão da Serra (SP)
95 – Jaguariúna (SP)
96 – Franca (SP)
97 – Santa Cruz do Sul (RS)
98 – Belford Roxo (RJ)
99 – São Carlos (SP)
100 – Cascavel (PR)