Notícias


Bancários ameaçam entrar em greve a partir de quinta-feira

estadao.com.br

Sindicato diz que proposta dos bancos apenas repõe a inflação e reduz o valor da participação nos lucros

Marcelo Rehder, da Agência Estado

Componentes.montarControleTexto(“ctrl_texto”)

SÃO PAULO-Sem proposta de aumento real de salários, os bancários ameaçam entrar em greve por tempo indeterminado em todo o Brasil a partir de quinta-feira, 24. Nesta quarta, os trabalhadores participam de assembleias em todo o País para votar a oferta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) de reajuste salarial de 4,5%, que repõe as perdas somente com a inflação dos últimos 12 meses. A categoria foi orientada pelo Comando Nacional dos Bancários a rejeitar a proposta e decidir pela greve.

"A nossa pauta de reivindicações foi entregue aos bancos no dia 10 de agosto e, após mais de um mês de negociações, eles fizeram uma proposta rebaixada, que apenas repõe a inflação, diminui o valor da PLR (Participação nos Lucros e Resultados) e ignora as outras demandas", afirma Carlos Cordeiro, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf) e coordenador do Comando Nacional. Na avaliação do sindicalista, trata-se de uma postura inaceitável para o setor "que obteve os maiores lucros de toda a economia brasileira no primeiro semestre e alcançou a maior rentabilidade de todo o sistema bancário das Américas".

Para o diretor de Negociações Trabalhistas da Fenaban, Magnus Apostólico, "a declaração de greve dos bancários é completamente indevida". "É muito esquisito que eles recebam uma proposta, mandem um comunicado por e-mail dizendo que o comando recusou a proposta e marquem greve. A negociação está aberta, não foi fechada, não houve impasse", argumentou. "O que esperamos é que eles apresentem uma contraproposta a isso que nós apresentamos." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.