Notícias


Alíquota do PIS/Cofins pode subir de 9,25% para 10,75%

<img style="CURSOR: hand" onclick="function anonymous()
{
window.document.location=/;
}” height=”70″ alt=”Capa do Correio da Bahia” src=”http://www.correiodabahia.com.br/nucleo/imgs/Marca_topo.gif” width=”350″ border=”0″ name=”marca” />

Medida seria forma de compensar a desoneração da folha de pagamentos

BRASÍLIA – O governo terá que aumentar a alíquota do PIS/Cofins dos atuais 9,25% para até 10,75% se quiser compensar a queda na arrecadação causada pela estudada desoneração da folha de pagamentos. As estimativas do governo mostram que, no pior cenário, cada ponto percentual de queda na contribuição patronal ao INSS, hoje em 20%, exige um aumento de 0,3 ponto percentual no PIS/Cofins. No melhor cenário, o aumento é de 0,2. Hoje, as empresas recolhem uma contribuição de 20% sobre o valor da folha de salários para financiar a Previdência Social.

O governo quer reduzir o pagamento sobre a folha e transferir para o faturamento das empresas, de modo a estimular os setores que empregam mais mão-de-obra. A dificuldade em aprovar no Congresso Nacional um aumento de impostos, mesmo que para compensar a queda na tributação em outro setor, somada ao impacto inflacionário que o aumento do PIS e da Cofins teria no curto prazo, fez com que o governo adiasse os planos de desoneração da folha por tempo indefinido. (Folhapress)